Capa_7_NOVELAS_GRAFICAS_2018Este “post” indica as ligeiras mudanças neste eterno “work-in-progress” da Bedeteca Ideal. O que significa que são aqui anunciadas as novas entradas, títulos que são substituídos ou subtraídos.

Esta é a única forma de detectar num sistema de listagem e de lógica de blogue. Visitem-nos regularmente…

Uma boa substituição na categoria HistóricaDestemidas : Mulheres que só fazem o que querem de Pénélope Bagieu, pode ter a capa mais falhada de sempre mas é um guia de recursos e inspiração para qualquer Mulher… Pergunta, porque não lançaram o segundo volume ainda?

Anúncios

Uma limpeza nas estantes virtuais! Cada vez mais concentrada na edição nacional – rara mas cheia de pérolas e em ebulição nos últimos 5 anos…

títulos por idades

>6 anos – 10 títulos

>8 – 15

>10 – 24

>12 – 48

>14 – 159

>16 – 67

>18 – 5

…….

Títulos por categorias

Categoria Aventura – 35 títulos

Erótico – 10

Fantástico – 20

Ficção Científica – 20

História – 40

Humor – 25

Novas Tendências – 30

Obras de Referência – 45

Policial & Espionagem – 25

Romance Gráfico – 45

Super-heróis – 20

Western – 10

329 títulos total

Novela_GraficaAutor(es) Santiago GARCíA

Editora Martins Fontes

Ano de Publicação 2012

Número de Páginas 343 p.

Impressão Quatro Cores

Faixa Etária Recomendável A partir dos 14 anos

Comentário Nos últimos anos, a BD tornou-se importante com um número enorme de obras ambiciosas e inovadoras está conferindo, ao que tradicionalmente era considerado um produto infantil, um prestígio cultural comparável ao da literatura e da arte. Poderíamos dizer que estamos assistindo, de fato, ao nascimento de uma nova arte. Mediante um ensaio histórico, o espanhol Santiago García examina a história da arte sequencial desde o século XIX até hoje, elaborando um relato que revela como e por que os quadrinhos estão se tornando um dos meios de expressão mais vivos do novo milénio. Qual é o caminho que leva de Popeye a Maus? Como passamos de Salamão & Mortadela a Rugas? A novela gráfica responde a essas perguntas.

Autor(es) João Paulo COTRIM, coordenação

Editora Bedeteca de Lisboa

Ano de Publicação 2000

Número de Páginas 94 p.

Impressão Quatro Cores

Faixa Etária Recomendável A partir dos 14 anos

Comentário Catálogo bilingue de uma exposição que esteve patente no Salão lisboa 2000. Estas pinturas narrativas são produções populares, geralmente de conteúdo religioso e histórico-lendário que não recebem na consciência dos espectadores o estatuto de obras de arte. Subordinam-se habitualmente aos princípios estéticos e características estilísticas próprios da arte dos ícones religiosos. As obras expostas que são uma espécie de proto-bd’s oferecem a possibilidade de pensar sobre o estatuto da arte, sobre as relações entre reprodução e representação, reavaliar as clivagens estabelecidas entre a função social do pintor, do ilustrador e do desenhador.
Esta “descoberta antropológica” chegou-nos através de Manuel João Ramos, investigador na área dos estudos etíopes no Departamento de Antropologia do ISCTE e coordenador do Núcleo de Estudos Etíopes da Sociedade de Geografia de Lisboa.

2675005143-a-tapecaria-a-historia-de-uma-obra-primaAutor(es) Carola HICKS

Editora Aletheia

Ano de Publicação 2009

Número de Páginas 430 p.

Impressão Preto e Branco

Faixa Etária Recomendável A partir dos 16 anos

Comentário Uma história absorvente da tapeçaria de Bayeux, cuja origem remonta à batalha de Hastings no longínquo ano de 1066, e que é um dos maiores tesouros da Europa. Com um passado pleno de tragédia e aventura, esta obra de arte suscitou desde sempre a maior curiosidade. Nesta obra, que se lê como um romance, ficamos a saber quem a encomendou e o milagre da sua confecção, para lá dos acontecimentos posteriores desde o séc. XI aos dias de hoje.

Ignorada no chão da Catedral de Bayeux até ser “redescoberta” no séc. XVIII, a tapeçaria transformou-se num símbolo de poder e de arte. Sobrevivente da Revolução Francesa, foi exibida por Napoleão, copiada pelos nazis, e a sua influência histórica-artística perdura até aos aos nossos dias.

Este livro magnífico, repleto de pequenas histórias, demonstra-nos como se “reconta” a história em cada época, e como uma grande obra de arte tem vida própria, bem como um papel tão importante no curso da História.

Autor(es) Nelson DONA (Direcção); Sara Figueiredo COSTA (Coordenação)

Editora Câmara Municipal da Amadora

Ano de Publicação 2009

Número de Páginas 144 p.

Impressão Preto e Branco

Faixa Etária Recomendável A partir dos 14 anos

Comentário Documento de análise e síntese que vai continuar “Hoje, a bd 1996/1999” (Bedeteca de Lisboa; 2001) sobre o “ponto da situação” da bd portuguesa, e o impacto do Festival da Amadora sobre o meio.
De forma resumida, abarcando as várias áreas da bd – da edição à formação, dos eventos às bibliotecas, por exemplo – este livro expõe o suficiente o que se passa em Portugal, sendo obrigatória sua leitura a qualquer agente do mercado (autor, editor, formador, organizador).
A completar o livro é ainda anexado um texto sobre a colecção de originais do CNBDI, escrito por Cristina Gouveia, e um texto sobre a exposição “Contemporaneidade na BD Portuguesa”, comissariada por Pedro Moura.

Autor(es) Sergio GARCÍA

Editora Sinsentido

Ano de Publicação 2004

Número de Páginas 36 p.

Impressão Quatro Cores

Faixa Etária Recomendável A partir dos 10 anos

Comentário Ensaio pequeno e divertido em que o autor Sergio Gárcia explica passo a passo como se faz banda desenhada, desde a sua ideia até à impressão, comercialização do livro.
Na tradição de livros como “Understanding Comics” de Scott McCloud, “Anatomía (…)” também é “escrito” na forma de bd. É um manual interessante para qualquer pessoa que se interesse pelo médium e os seus segredos, e especialmente para o público mais novo.
Em castelhano.