Arquivo

humor

Autor(es) Luís AFONSO

Editora Dom Quixote

Ano de Publicação 2003

Impressão Preto e Branco

Faixa Etária Recomendável A partir dos 14 anos

Comentário Se hoje não dispensamos, nas páginas do “Público”, o “barman” de bigode e os seus comentários, perplexidades ou interrogações – entre a ingenuidade, o sentido do paradoxo e a acidez que sintetizam a ironia -, isso deve-se sem dúvida, ao investimento que Luís Afonso faz, todos os dias, na criação do “Bartoon”. Nenhum outro “cartoonista” português dos últimos vinte anos foi até hoje capaz de uma produção quotidiana de humor tão intensamente ligado ao ritmo da actualidade febril de um jornal diário.  © Vicente Jorge Silva

Autor(es) Carlos BOTELHO

Editora Bedeteca de Lisboa

Ano de Publicação 1998

Número de Páginas 126 p.

Impressão Preto e Branco

Faixa Etária Recomendável A partir dos 12 anos

Comentário Coordenado por João P. Boléo e Carlos B. Pinheiro, o catálogo da exposição que esteve patente no Salão Lisboa 1998 recolhe pranchas semanais que o “pintor de Lisboa” publicou no jornal “Sempre Fixe”, de 1928 a 1950, e nas quais reflectia sobre acontecimentos da época em tons que iam do humor sereno ao desencanto crítico.
Uma obra fundamental do ponto de vista histórico e da investigação.

apaznomundoAutor(es) WILLEM

Editora Inquérito

Número de Páginas 130 páginas

Impressão Preto e Branco

Faixa Etária Recomendável A partir dos 16 anos

Comentário Pranchas de BD de Willem sobre conflitos bélicos entre a Segunda Guerra Mundial e a Segunda Guerra do Golfo, foram publicadas na Charlie Hebdo entre 2000 e 2001, mostram os horrores da Humanidade mas sobretudo a hipócrisia de todos os regimes – em que não “nos” escapamos com as referências a Angola, Moçambique e Timor Leste.

O prefácio de Frédéric Barbe é bastante útil para perceber o trabalho deste autor de origem holandesa mas residente em França desde 1968 (bela data!) e da análise possível dos conflitos que nos esquecemos que existiram devido a outros mais mediáticos do Imperialismo Americano.

Willem  é mais conhecido por cartunista ou de autor de BD humorista, com uma carreira de 50 anos, muitos esquecem-se que Willem foi um Provo (movimento de situacionistas holandeses) e “espião” na Charlie Mensuel – fabulosa revista de BD que existiu entre 1969 a 1981 e que continua a ser imbatível ao nível de Design gráfico, ao contrário da horrível capa desta edição.

A-Pior-Banda-do-Mundo-Vol-01-HCAutor(es) José Carlos FERNANDES

Editora Devir

Número de Volumes 2 volumes

Impressão Duas Cores

Faixa Etária Recomendável A partir dos 14 anos

Comentário «Quatro instrumentistas que, à imagem dos outros habitantes desta Cidade sem tempo nem geografia, possuem enigmas no nome e ironias nas profissões. Sebastian Zorn é serrilhador de selos e líder da banda a partir do seu saxofone. Igancio Kagel é fiscal municipal de isqueiros e contrabaixista. Idálio Alzheimer é verificador meteorológico e pianista. A bateria está entregue a Anatole Kopiek, criptógrafo de segunda classe. Todos os dias à mesma hora, encontram-se para desafinar. É a metáfora daquela Cidade que nos chega aos pedaços curtos de duas pranchas. O fundo e o tom são ambos sépia, algumas das figuras reconhecíveis (da literatura, da música), morando o conjunto algures entre o melancólico e o irónico». © João Paulo Cotrim

Informação Bibliográfica Devir, 6 volumes (ed. esgotada)

Autor(es) Miguelanxo PRADO

Editora Asa

Ano de Publicação 2003

Número de Páginas 192 p.

Impressão Quatro Cores

Faixa Etária Recomendável A partir dos 14 anos

Comentário (…) as edições Asa lançaram num único volume os três álbuns anteriormente conhecidos como “Quotidiano Delirante”. (…) Muda o nome mas o conteúdo permanece: pequenos retratos humorísticos do quotidiano, onde a ironia é o veículo privilegiado para a crítica social.
O autor galego, de 44 anos de idade, é um talento versátil, o que lhe permitiu dedicar-se a diversas actividades, desde que se iniciou profissionalmente na bd, nos primeiros anos da década de 80. (…) recebeu os prémios mais variados e prestigiados, (…) a sua popularidade se estende da Europa aos Estados Unidos.
(…) várias dezenas de episódios – abrangendo um arco de quase uma década, da segunda metade dos anos 80 até meados dos anos 90 – se sucedem com muitas diferenças de traço, técnicas e até papel, mantendo-se, contudo, a habilidade da mão e o notável equilíbrio que Prado consegue estabelecer entre o retrato e a caricatura. (…) em geral os temas rodam em torno da burocracia, da maldade humana, do abuso da autoridade, compondo uma galeria muito pouco simpática de personagens. Nenhum mal vem daí, mas depois de lermos os episódios em sucessão instala-se um tom ligeiramente moralista, que se dispensava. (…) © João Miguel Tavares

Autor(es) Bill GRIFFITH

Editora Fantagraphics Books

Ano de Publicação 1994

Número de Páginas 127 p.

Impressão Preto e Branco

Faixa Etária Recomendável A partir dos 14 anos

Comentário Zippy the Pinhead foi criado por Bill Griffith (1944; EUA) é um ícone Pop – pelo menos nos EUA. Criado no meio “underground” em 1970 seguiu para os jornais em 1986 sendo desde então lido por milhões de pessoas diariamente.
Em mais de duas décadas Zippy tem sido “o nosso querido idiota” que coloca o dedo na ferida da cultura Pop/consumista que nos invade cada vez mais. Seja à publicidade, a bonés, ao Bruce Springsteen, nada escapa à crítica de Bill Griffith. O autor começou a sua carreira no “underground” dos anos 60 tendo co-editado a seminal antologia Arcade com Art Spiegelman.

Autor(es) François BOUCQ

Editora Booktree

Ano de Publicação 2003

Número de Volumes 1 volume

Impressão Quatro Cores

Faixa Etária Recomendável A partir dos 14 anos

Comentário As Aventuras de Jérôme Moucherot são a veia humorística do (re)conhecido François Boucq (1955; França) mais conhecido pelas histórias “realistas e mágicas”.
O especialista em seguros Moucherot, com uma caneta enfiada no nariz e um fato de pele de tigre, é uma das mais desconcertantes personagens da bd franco-belga, movendo-se numa selva de cimento, ele vive num mundo altamente surrealista.

Informação Bibliográfica
Meribérica/Liber, 1 volume