Arquivo

super-heróis

Autor(es) Grant MORRISON, argumento; Dave McKEAN, desenho

Editora Devir

Ano de Publicação 2005

Número de Páginas 128 p.

Impressão Quatro Cores

Faixa Etária Recomendável A partir dos 14 anos

Comentário Nesta história, magnificamente ilustrada por McKean, Batman confronta os internos do Asilo Arkham que tomaram conta da instituição. Exigem Batman para ser trocado pelos prisioneiros e reféns. Aceitando as condições de seus inimigos, Batman é forçado a viver e protagonizar os infernos pessoais do seus inimigos: Joker, Scarecrow, Poison Ivy entre outros para salvar os inocentes e tentar retomar a prisão. Durante estes momentos de convivência com o absurdo, a sanidade do próprio Cavaleiro Negro está em jogo.
Notável o trabalho de McKean que usa uma série de colagens envolvendo os mais diversos media, da fotografia à escultura, dos tecidos à pintura, posteriormente trabalhados em computador, e que o levaria à fama nos EUA nos anos 90.

Anúncios

Autor(es) Frank MILLER

Editora Devir

Número de Volumes 2 volumes

Impressão Quatro Cores

Faixa Etária Recomendável A partir dos 14 anos

Comentário «Obra que foi considerada responsável (a par do seu contemporâneo Watchmen, de Alan Moore e David Gibbons) pela revitalização de um género considerado sem reforma possível, a BD de superheróis.
Batman, é um reformado envelhecido e amargo num mundo violento, mas cinicamente “blasé” (que Miller retrata com recurso à televisão). Um mundo que o ex-herói voltará a querer reformar, da sombra, recorrendo ao espírito tipicamente norte-americano, o Velho Oeste a roçar o vigilantismo. O resultado é um ritmo poderoso, marcado pelo matraquear do texto, e um odor intenso a realismo, que, na altura, era paradoxal em termos dos “comics” de superheróis». © João Ramalho Santos

Autor(es) John WAGNER, argumento; Alan GRANT, argumento; Simon BISLEY, desenho

Editora Meribérica/Liber

Ano de Publicação 1994

Número de Páginas 64 p.

Impressão Quatro Cores

Faixa Etária Recomendável A partir dos 14 anos

Comentário É típico na indústria norte-americano de super-heróis juntar personagens de universos diferentes e até de editoras diferentes. É conhecido este tipo de evento por “Crossover”.
Este “crossover” é deveras peculiar pois reúne duas das mais emblemáticas personagens de bd de cada lado do atlântico. De um lado Batman, o conhecido “homem-morcego” norte-americano, de outro Judge Dredd o homem-da-lei britânico. Ambos homens da Justiça, embora opere fora do sistema (Batman) e outro “É a Lei!” («I’m the Law» é uma das mais conhecidas frases de Judge Dredd).
Esta é também não só a única edição portuguesa da carismática figura do Judge Dredd, como também a única que tenha publicado o trabalho de Simon Bisley, o desenhador inglês mais bárbaro e “gore” dos últimos tempos.

15 Contos de Fadas Capa_VF_smallAutor(es) C.B. CEBULSKI, argumento; João LEMOS, desenho; Nuno PLATI [et al], desenho

Editora Levoir

Ano de Publicação 2014

Número de Páginas 150 p.

Impressão Quatro Cores

Faixa Etária Recomendável A partir dos 10 anos

Comentário Colectânea de bd’s escritas por C.B. Cebulski, em que o universo Marvel leva os seus mitos modernos (os seus super-heróis como o Homem-Aranha, Vingadores e X-Men) para os contos de fadas (Pinóquio, Capuchinho vermelho, Peter Pan, etc…)
Para além disso, muitas destas bd’s foram desenhadas por autores portugueses como João Lemos, Ricardo Tércio e Nuno Plati.

criseAutor(es) Marv WOLFMAN, criação e argumento; George PEREZ, desenho e argumento

Editora Levoir

Número de Volumes 2 volumes

Impressão Quatro Cores

Faixa Etária Recomendável A partir dos 14 anos

Comentário Quando a editora DC Comics fez 50 anos de existência, decidiu efectuar uma limpeza a todo um universo de super-heróis extremamente confuso, resultado de aquisições de direitos de personagens de outras editoras, renovações/recriações de velhas personagens entre outras “anomalias” editoriais.
Um ser misteriso chamado Anti-Monitor começou uma cruzada contra o Universo destruindo toda a existência. A sua contra-parte, o Monitor junta todos os super-heróis (e até super-vilões) para impedir a destruição do universo.
As batalhas trarão mortes a algumas personagens emblemáticas como o do Flash e da Supergirl.

08 Demolidor CapaVFhighAutor(es) Frank MILLER, argumento; David MAZZUCCHELLI, desenho

Editora Levoir

Número de Páginas 200 p.

Impressão Quatro Cores

Faixa Etária Recomendável A partir dos 14 anos

Comentário Criado por Stan Lee e Bill Everet em 1964, o Demolidor foi praticamente reinventado por Frank Miller no final dos anos 70 e princípios dos anos 80 numa série de histórias memoráveis como este Renascido.

Miller criou toda a mitologia moderna da série: a definição de um arqui-inimigo (Kingpin of Crime / Rei do Crime), a mercenária e sua amante Elektra (que acaba por morrer numa das histórias), o previlegiar do homem por trás da máscara, as características do policial negro e dos filmes de artes marciais… tudo isto veio dar um toque único a um super-herói de segunda linha, que a partir daí se tornou um verdadeiro fenómeno de culto, e consagrou o autor como um dos mais importantes na indústria norte-americana.

Cego desde a infância, Matt Murdock viu os seus restantes sentidos ampliados de forma exponencial. Agora, ele combate o crime em Nova Iorque, como advogado durante o dia, e como Demolidor durante a noite! Quando o Rei do Crime descobre a identidade secreta do Demolidor, a vida de Murdock vai ser completamente destruída e ele vê-se sem casa, sem trabalho sem dinheiro, sem amigos, sem esperança.

Considerada por muitos como a melhor história do Demolidor de sempre, Demolidor: Renascido, é uma saga clássica que assinalou o regresso de Miller à personagem que o tornou famoso, desta vez apenas como argumentista, contando com o traço notável de Mazzucchelli para ilustrar esta história memorável.

Autor(es) Mike MIGNOLA

Editora Devir / G. Floy

Número de Volumes 6 volumes

Impressão Quatro cores

Faixa Etária Recomendável A partir dos 14 anos

Comentário Hellboy foi criado por Mike Mignola e possibilita ao seu autor as mais variadas incursões pelos temas do terror e do fantástico, de diversas lendas europeias aos monstros do cinema de série B.
Hellboy é membro do Bureau for Paranormal Research and Defense, uma organização governamental que investiga fenómenos paranormais, «o que faz com a fleuma de um funcionário público, sendo precisamente esse comportamento contrastante com a sua imagem demoníaca, que dá uma pitada de humor à série e ajuda á identificação do leitor com o herói e os seus estranhos companheiros de equipa».
Em termos gráficos, Mignola revela o seu fascínio pela arquitectura gótica e pelas ruínas antigas, enchendo as páginas com ruínas cobertas de heras, baixo relevos exóticos e estátuas funerárias, elementos que surgem realçados por um jogo de sombras digno (…) de filmes como “Nosferatu”, ou “O Gabinete do Dr. Caligari”. Em termos literários, o argumento é claramente devedor de autores como Edgar Alan Poe e H.P. Lovecraft.
Hellboy chegou ao grande ecrã em 2004, num filme de Guillermo Del Toro, filme bastante fiel à bd que lhe deu origem que contou com o próprio Mignola como conselheiro visual e produtor executivo.

Informação Bibliográfica 1º volume com argumento de John BYRNE