A grande farsa

Autor(es) Carlos TRILLO, argumento; MANDRAFINA, desenho

Editora Mancha Negra / Vitamina BD

Ano de Publicação 2001

Número de Páginas 128 p.

Impressão Preto e Branco

Faixa Etária Recomendável A partir dos 16 anos

Comentário (…) premiada em 1998 com o prémio de Melhor Álbum Estrangeiro no Festival de Angoulême. O desenho foi entregue, (…), a Domingo Mandrafina, e apesar de o seu traço ser pouco vistoso, é de uma eficiência a toda a prova. A história desenrola-se em três planos temporais, e cada um deles Mandrafina define com estilo particular, embora sem jamais abandonar o preto e branco (nuns casos sublinha o negro com branco, noutros asperge as vinhetas com tinta).
O argumento de Trillo, por seu lado, é de um notável virtuosismo, com personagens que parecem saídas da pena de García Márquez e um tom de realismo mágico que os latino-americanos dominam como ninguém. Aí se contam os amores de um polícia caído em desgraça e de uma beldade endinheirada, mas a graça não está tanto no que é dito como na forma como é dito: Trillo utiliza dois planos narrativos, um dos quais funciona como o coro nas tragédias gregas, comentando a acção. Um álbum magnífico, a que se seguiu A Iguana (…). © João Miguel Tavares

Informação Bibliográfica Sequela: “Iguana” (Mancha Negra/Vitamina BD; 2002)

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: